Criança morre ao ser arremessada de carro durante acidente

18/08/2014 10:27

Um dos condutores fugiu do local e abandonou carro alguns metros depois.
Vítima não estava sentada na cadeirinha; pai teve apenas ferimentos leves.

Vitor Santana | G1 GO

Uma criança de 5 anos morreu em um acidente de carro neste domingo (17) na Avenida Ricardo Paranhos, no Setor Marista, em Goiânia. O menino foi arremessada para fora do veículo na colisão. De acordo com informações de testemunhas à Polícia Militar, um Peugeot 206, onde estava apenas o motorista, colidiu contra um Fiat Gran Siena, onde estava a vítima, acompanhada dos pais. O condutor do Peugeot fugiu do local sem prestar socorro.

De acordo com a polícia, o acidente aconteceu em uma rotatória. O Fiat Gran Siena capotou após ser atingido pelo Peugeot 206. O motorista ainda continuou dirigindo por três quarteirões, quando abandonou o veículo e fugiu. Policiais fizeram buscas nas imediações e encontraram o carro abandonado e com sinais de colisão. O automóvel foi levado de volta pelos agentes para o local da batida, para a realização de perícia.

De acordo com os policiais, a criança foi arremessada para fora do veículo por não estar usando a cadeirinha, item de segurança obrigatório para crianças. O menino morreu no local. O pai, um veterinário de 54 anos, sofreu ferimentos leves e foi encaminhado para o Hospital de Urgências de Anápolis. A mãe, de 30 anos não se feriu.

Segundo o delegado adjunto da Delegacia Especializada em Investigação de Crimes de Trânsito de Goiânia (DICT), somente uma perícia pode determinar as causas do acidente, mas a suspeita é que tenha havido desrespeito à sinalização do local.

Ainda de acordo com o responsável pelo caso, o condutor que fugiu já foi identificado, pois os documentos pessoais do homem foram deixados dentro do veículo abandonado. “O advogado e familiares dele disseram que ele vai se apresentar à polícia em breve. Como houve morte, isso caracteriza como um homicídio de trânsito. Com a evasão do local, isso pode agravar a pena”, informou. Se condenado, ele pode ficar preso por até quatro anos.

Manifeste sua opinião sobre essa matéria

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário