EUA testarão vacina experimental contra ebola em humanos

02/08/2014 14:12

Caso testes sejam bem sucedidos, vacina poderá ser usada em 2015.
Segundo especialistas, falta interesse da indústria farmacêutica em testes.

France Presse

Virologistas americanos esperam poder testar, em breve, uma vacina experimental contra o ebola, que, se for bem sucedida, pode imunizar até 2015 os trabalhadores de saúde que estão na linha de fogo enquanto a África sofre a maior epidemia da doença.

As primeiras tentativas de desenvolver uma vacina contra a febre hemorrágica começaram pouco depois da descoberta da doença, em 1976, mas a falta de investimento por parte da indústria farmacêutica estancou estes esforços.

No entanto, no próximo mês, os Institutos Nacionais da Saúde dos Estados Unidos (NIH) começarão a fazer os primeiros testes em humanos de uma vacina que se mostrou promissora nas experiências em macacos.

"Estamos começando a discutir alguns acordos com empresas farmacêuticas para acelerar (as pesquisas)", disse Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID) dos Estados Unidos.

"Ela poderá estar disponível em 2015 para os trabalhadores de saúde que estão expostos a grandes riscos", acrescentou. Enquanto isso, a epidemia de Ebola no oeste da África está sobrecarregando o sistema de saúde da região e superando os esforços de contenção.

O vírus provoca dores, febre, vômitos, diarreia e hemorragias. Desde março, matou 60% dos infectados, ou seja, 729 pessoas, segundo o último balanço da Organização Mundial da Saúde.

A vacina existe, mas não há mercado

Até agora, não se conseguiu convencer as companhias farmacêuticas a investir em uma vacina contra o Ebola.

"Com surtos esporádicos, que afetam normalmente um pequeno número de pessoas na África Central, não existe realmente um mercado comercial" para uma vacina contra o ebola, escreveram Andrea Marzi e Heinz Feldmann, do Laboratório de Virologia do NIAID, em artigo científico publicado em abril.

No entanto, "há várias plataformas de vacinas prontas para testes clínicos". Algumas destas vacinas já demonstraram ter de 80% a 90% de eficácia em testes feitos com macacos, e nenhuma teve efeitos colaterais que ameaçassem a vida dos primatas, explicou o professor da Universidade de Cambridge, Peter Walsh.

Mas o processo foi comprometido, já que os reguladores dizem não ser ético inocular em humanos hoje afetados na África vacinas que ainda não passaram por todas as fases de experimentação.

"Este argumento - de que não é ético usar vacinas sem licença - é simplesmente estapafúrdio", disse Walsh à AFP, acrescentando que o NIAID está há uma década trabalhando nesta vacina. "O ético é tratá-los, vaciná-los. É o que seria lógico. O escandaloso é que não o façamos", disse.

Problemas logísticos 

Mesmo se uma vacina ou um tratamento experimental fosse distribuído nos países afetados - Guiné, Libéria, Nigéria e Serra Leoa - várias perguntas ainda precisam ser respondidas em relação à forma de proceder.

Marzi e Feldman disseram em seu artigo que os surtos de ebola exigiriam "a vacinação e a proteção dos funcionários de saúde locais e de outros grupos com alto risco de contágio, como familiares".

Esta estratégia exige que a imunização seja de ação rápida e de fácil acesso e que as doses estejam disponíveis em grandes quantidades, fornecidas pela indústria ou pelas reservas federais.

Também há interrogações com relação a quanto uma vacina pode ser útil, explicou Herve Raoul, especialista em patógenos e pesquisador do Instituto Médico Francês de Saúde, (Inserm).

"Não estou certo de que vacinar toda a população faça sentido", disse ele à AFP. "O ideal seria desenvolver um antiviral que ajude as pessoas doentes a superar a fase mais aguda da doença", acrescentou. Mas essa medicação não existe hoje.

Enquanto isso, os especialistas só podem aconselhar medidas preventivas, como isolar os pacientes infectados, tomar precauções extremas para evitar o contato com fluidos corporais e enterrar rapidamente os mortos.

No entanto, Walsh tem a esperança de que a epidemia atual cause alguma mudança. "As coisas acontecem graças às crises", disse. "Quando acontece algo terrível, é uma oportunidade para fazer algo que em outras circunstâncias não seria politicamente possível", acrescentou.

Manifeste sua opinião sobre essa matéria

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário