FIES vale a pena? Confira

07/09/2015 11:21

Mundo Vestibular

fiesO FIES é um financiamento estudantil a juros baixos (6,5% ao ano). Criado pelo Governo Federal em 1999, já beneficiou cerca de dois milhões de estudantes brasileiros de baixa renda que, graças ao Programa, podem pagar a mensalidade da universidade privada e assim conquistar um diploma de nível superior.

Recentemente, o FIES passou por uma série de mudanças. As regras de participação ficaram mais rígidas, com a exigência de pontuação mínima no Enem, entre outros requisitos, e a taxa de juros aumentou (embora ainda seja muito mais baixa do que os juros cobrados por financiamentos privados). O limite de renda para participar do Programa também foi modificado e a quantidade de novos contratos sofreu uma redução considerável. Em resumo, ficou bem mais difícil conseguir o financiamento do Governo para pagar a faculdade.

Com tudo isso, será que o FIES vale a pena? Descubra se pedir esse financiamento é uma boa ideia para você!

FIES não é bolsa de estudo

Antes de avaliar se o FIES vale a pena no seu caso, é importante saber que o Programa é um Financiamento Estudantil, e não uma bolsa de estudos. Qual a diferença?

Em programas de bolsas de estudos, como o ProUni, o aluno “ganha” a mensalidade ou uma parte dela e não precisa pagar de volta esse valor ao se formar, nem se comprometer com juros e contratos.

Já no financiamento estudantil, como é o caso do FIES, o estudante “pede emprestado” o valor total ou parcial das mensalidades da faculdade e precisa pagar de volta conforme estabelecido no contrato. No caso do FIES, o estudante paga parcelas trimestrais referentes aos juros enquanto estiver estudando. Ao se formar, terá um tempo para se organizar financeiramente e depois começará a pagar a dívida de volta para o Governo, no prazo de alguns anos, dependendo da duração do curso financiado.

Embora seja uma mão na roda para bancar a faculdade privada, o FIES não é “de graça”. Depois de formado, você terá de pagar a dívida. Por isso, antes de pedir o FIES, é importante descobrir se vai valer a pena.

Quem pode pedir o FIES?

Agora que já está claro como funciona o FIES, você precisa saber se cumpre os requisitos para participar do Programa. São eles:

  • Não ter diploma de nível superior.
  • Ter participado do Enem, com desempenho de pelo menos 450 pontos nas provas objetivas e nota maior do que zero na redação (para quem concluiu o ensino médio a partir de 2010).
  • Ter renda familiar bruta mensal de no máximo 2,5 salários mínimos por pessoa.
  • Ser professor efetivo da rede pública de ensino e pedir o FIES para financiar curso de licenciatura, normal superior ou pedagogia (neste caso não é necessário apresentar o desempenho no Enem nem atender ao critério de renda familiar).
  • Ser bolsista parcial do ProUni e solicitar o FIES para complementar o valor da mensalidade no mesmo curso e faculdade onde tem a bolsa.

Não pode fazer o FIES quem:

  • Já tem um diploma de nível superior.
  • Já foi beneficiado com financiamento do FIES.
  • Está inadimplente com o Programa de Crédito Educativo (PCE/CREDUC)
  • Possui renda familiar bruta mensal de mais de 2,5 salários mínimos por pessoa.

FIES vale a pena?

Se você se encaixa nos critérios para pedir o FIES, chegou a hora de refletir se vale a pena pedir esse financiamento. Essa é uma decisão bem pessoal e não existe uma resposta única, pois depende de fatores como renda familiar, possibilidade de ganhos futuros, situação escolar, etc.

Na maior parte dos casos, o FIES vale a pena quando:

O curso superior que você quer fazer não está disponível em universidades públicas, ou você não tem condições de cursá-lo por algum motivo (distância, pontuação no Enem para entrar no Sisu, vestibular muito concorrido, etc.).

Não é possível entrar no curso pelo ProUni, seja porque você não se encaixa nos critérios da bolsa, ou não tem pontuação suficiente no Enem.

Você não tem condições financeiras de bancar a mensalidade integral do curso que pretende fazer, mas sua renda é suficiente para pagar as parcelas trimestrais dos juros e arcar com custos não cobertos pelo Programa, como deslocamentos, alimentação, material de estudos, etc.

O curso que você vai fazer tem boa empregabilidade e você tem boas chances de aumentar sua renda ao se formar.

Independentemente de ter se identificado com as situações acima, antes de tomar sua decisão, faça uma simulação do financiamento do FIES para ter uma ideia de qual será o valor das parcelas e o prazo de pagamento.

Manifeste sua opinião

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário