História do bairro de São Domingos

19/07/2014 18:10

São Domingos é um bairro histórico e turístico localizado na Zona Sul do município de Niterói, capital do antigo Estado do Rio de Janeiro (antes da fusão com Estado da Guanabara). É banhado pelas águas da Baía de Guanabara e tem grande importância histórica.

O bairro de São Domingos abriga a Cantareira, como popular e festivamente é chamada a Praça Leoni Ramos e seus arredores. A Cantareira é também chamada de "Lapa de Niterói", em comparação ao bairro da Lapa na cidade do Rio de Janeiro, reduto da boêmia carioca, à medida que em volta da praça há vários bares, pubs e restaurantes em seus casarões históricos, que reúnem jovens e estudantes, principalmente das faculdades da Universidade Federal Fluminense. Nas vizinhanças, nas casas do bairro de São Domingos, atualmente funcionam dezenas de ateliers de artes plásticas, formando um corredor cultural e artístico, que ao seu modo, e de maneira espontânea, lembra o bairro carioca de Santa Teresa, reforçando o perfil cultural e artístico do bairro.

O bairro está ligado ao Centro da cidade pela rua Andrade Neves e pela Avenida Visconde de Rio Branco. Por serem pequenos e muito próximos, São Domingos e os vizinhos Ingá, Gragoatá e Boa Viagem se confundem em sua geografia e história.

São Domingos é um dos bairros mais antigos da cidade. Suas ruas ainda preservam um pouco da arquitetura do fim do século XIX e o ar de cidade do interior. Sua localização, perto da cidade do Rio de Janeiro e do Centro favoreceram a ocupação e urbanização ainda no período colonial. O bairro também sediava um porto de atracação e o aparecimento de um povoado em torno do largo de São Domingos, ainda no período colonial.

No ano de 1816, São Domingos recebeu a visita do Imperador D. João VI que passou uma temporada na região. Para melhor abrigá-lo, um rico comerciante de escravos, proprietário de vários imóveis, presenteou o monarca com um casarão de três andares. Esse prédio foi a primeira Casa da Câmara até a transferência da sede da Vila de São Domingos para o atual Centro. A visita do monarca foi fundamental para o desenvolvimento de Niterói, elevando-a futuramente à condição de Vila Real. Foi também em São Domingos que morou José Bonifácio, amigo do imperador, na rua que hoje leva seu nome.

Com a elevação em Vila das localidades do outro lado da Baía de Guanabara pelo rei D. João VI, o Álvaro Régio estabelecia que a sede da nova vila deveria ser erguida “no lugar chamado de São Domingos da Praia Grande”. Mesmo não tendo sido escolhido como sede da Vila - em virtude do pequeno espaço do Largo de São Domingos, atual praça Leoni Ramos, para erigir o Pelourinho, a Casa da Câmara e Cadeia e a Capela, a sede da Vila foi deslocada para outro local, o atual Centro de Niterói - por todo o século XIX e início do século XX continuou sendo um dos locais de grande importância à cidade de Niterói.

Em torno do Largo de São Domingos, atual Praça Leoni Ramos, prédios residenciais foram construídos, abrigando o endereço de diversos nomes ilustres da Província. Também no bairro, considerado um subúrbio do Centro de Niterói e mesmo do Rio no Século XIX, estabeleceram-se negócios como armazéns de secos e molhados, boticas, armarinhos, colégios, hospital, hotéis e pensões, gráficas e outros. O grande movimento de passageiros e mercadorias entre o Rio e Niterói, especialmente após a elevação da Vila à cidade e capital da Província do Rio de Janeiro, passou a existir através da concessão do serviço de navegação de barcos a vapor, que atracavam para embarque e desembarque no Largo de São Domingos. Possuidor de uma forte feição residencial, empresas estrangeiras (inglesas e alemãs) estabelecidas no Rio de Janeiro escolheram São Domingos e os atuais bairros vizinhos como local de moradia de seus alto funcionários, completando o casario que ficou para posteridade.

Com a expansão urbana em direção a outros pontos, principalmente aos bairros da Zona Sul (Ingá, Icaraí, São Francisco, etc), ocorreu uma certa estagnação no bairro, reforçada com o fim do bondes elétricos, cujas linhas passavam obrigatoriamente pela Praça, para que somente ao fim da década de 1990 começou a apresentar sinais de reversão. Essa estagnação fez preservar o casario, agora ameaçado pelo descaso da administração pública e recente especulação imobiliária à medida que o bairro se revalorizou.

O bairro possui discreta atividade comercial. Na rua José Bonifácio destaca-se o Colégio Marília Mattoso. Há ainda uma academia, alguns bares, padarias e uma papelaria. O comércio da região não vai muito além do básico, como açougues, lanchonetes e pontos de táxi e vans, farmácias, lava-jatos e oficinas, além de uma loja de material de construção.

A antiga Estação Cantareira, que já abrigou muitas atividades culturais e shows, foi transformada em pólo de cultura onde hoje funciona também um bar. Ao lado, está sendo erguido o Museu do Cinema Petrobras, uma obra que faz parte do Caminho Niemeyer e foi projetado pelo próprio arquiteto que dá nome ao complexo.

O bairro também tem tradição acadêmica e abriga muitos campi da Universidade Federal Fluminense (UFF) como os campi de Comunicação Social (IACS), de Economia e o Campus da Praia Vermelha, além das Faculdades Maria Tereza, do já citado Marília Mattoso e do colégio IEPIC.

Também estão localizados no bairro o Solar do Jambeiro (um antigo palacete do século XIX transformado em museu), o Restaurante Jambeiro e a sede da empresa de energia Ampla. O restante da região é composto de residências de classe média, entre prédios e casas antigas, que dividem espaço com algumas casas abandonadas e outras ocupadas por moradores pobres, nos chamados cortiços. A favelização também já chegou ao local, ocupando morros que separam a região dos seus bairros vizinhos.

O bairro tem vida noturna agitada com os bares que cercam a Praça Leoni Ramos, também chamada de Cantareira, que fez com que tenha ganho o apelido de "Lapa de Niterói", em alusão ao bairro carioca da Lapa.

Também são muitos os ateliers de artistas plásticos e artesãos que anualmente promovem a mostra "São Domingos de Portas Abertas", onde os visitantes podem conhecer de perto os trabalhos feitos nos ateliers, lembrando em muito o que ocorre com o bairro carioca de Santa Teresa.

Ainda há a charmosa Igreja de São Domingos, a Igreja Evangélica Congregacional da Cantareira, a Estação Cantareira, o Solar do Jambeiro, além do já citado Museu Petrobras de Cinema.