Jaguar Land Rover inaugura pedra fundamental de fábrica no RJ

04/12/2014 09:04

Produção em Itatiaia deve começar no início de 2016.
Por ora, SUV Discovery Sport é o único modelo confirmado.

Luciana de Oliveira | G1, em São Paulo

A Jaguar Land Rover inaugura nesta terça-feira (2) a pedra fundamental da planta de Itatiaia (RJ), primeira fábrica totalmente própria do grupo fora do Reino Unido.

A linha de produção tem capacidade para 24 mil carros ao ano, mas esse total não deve ser atingido logo no início, disse o presidente da Jaguar Land Rover no Brasil, Terry Hill, na última segunda (1º), em São Paulo. Ele não deu números iniciais, mas afirmou que a produção começa "no início" de 2016, e, por ora, o único modelo confirmado é o novo SUV Discovery Sport.

O carro será lançado em março próximo, ainda como importado. Por enquanto, a Land Rover só quer falar dele. Ao ser questionado se da fábrica também sairá algum modelo da Jaguar, o presidente-executivo do grupo, Ralph Speth, desconversou. "Continuamos estudando o que é mais apropriado (para produzir) no Brasil. Por enquanto não descartamos e não incluímos nenhum outro modelo".

O CEO só adiantou que, por ora, não há planos de exportar os veículos produzidos no país. "Fazemos no país para o país, como na China", onde a Jaguar Land Rover abriu sua primeira fábrica fora do Reino Unido em parceria com a Chery. Daí a planta brasileira ser a primeira no exterior que pertence 100% ao grupo britânico, que foi comprado pela indiana Tata Motors.

Sobre o Discovery Sport, a montadora também não diz o quanto ele será "brasileiro". Segundo Hill, há um grupo estudando os fornecedores nacionais. Em comunicado, a empresa informou que irá utilizar "uma série de componentes nacionais de fornecedores locais, além de importar outros componentes de sua rede global", mas o presidente não detalhou quais serão eles.

Empresa pequena

"Somos uma empresa pequena. Temos que dar um passo de cada vez, devagar, para ter certeza de que estamos fazendo direito, entregando qualidade", resumiu Speth. "Não estamos no jogo de volume (de produção). Queremos entregar uma experiência ao cliente."

De janeiro a outubro deste ano, foram vendidos no Brasil 8.118 veículos das duas marcas. No mundo, 384 mil, menos do que as três montadoras que mais vendem no Brasil conseguiram emplacar de janeiro a outubro, cada uma.

Olho no Nordeste

A construção da fábrica ocorrerá simultaneamente com a ampliação da rede de distribuidores. "Todas as lojas Land Rover se tornarão Jaguar Land Rover", afirmou Hill.

A meta é, até março do ano que vem, chegar a 42 concessionáras. "No fim de março estaremos nas cinco regiões do Brasil, não só nas grandes capitais", disse o presidente. "O Nordeste é muito importante para nós."

Além do Discovery Sport, a empresa lançará também neste ano o Jaguar XE, que, a exemplo do SUV da Land Rover, será o modelo de "entrada" da linha da marca de carros esportivos.

A montadora diz que 40% dos carros vendidos atualmente no Brasil são financiados pelo serviço que a Jaguar Land Rover lançou em outubro passado. Perguntado se o preço do Discovery Sport, anunciado em R$ 179,9 mil, poderá ser barateado quando o carro começar a ser feito no país, Hill disse que a repercussão do valor foi "bastante positiva" entre potenciais clientes. "Acreditamos que o preço esteja correto."

Números da fábrica

A unidade em Itatiaia terá 600 mil metros quadrados e resultará de um investimento de R$ 750 milhões. A expectativa é que sejam gerados 400 postos de trabalho.

A região já possui outras três fábricas no setor: a da Nissan e a da MAN, marca de caminhões pertencente ao Grupo Volkswagen, ambas em Resende, e a da Peugeot Citroën, em Porto Real.

A empresa diz que também abrirá na cidade seu primeiro Centro Educacional na América Latina "com o objetivo de ajudar crianças em idade escolar da região a desenvolver habilidades e conscientização em relação à vida profissional, além de inspirá-los a seguir carreiras na Jaguar Land Rover futuramente".

Além disso, a montadora iniciou uma parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) para dar treinamento a jovens de 17 e 26 anos.

Manifeste sua opinião

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário