Leila Diniz

25/03/2015 11:45

Leila Roque Diniz (Niterói, 25 de março de 1945 — Nova Délhi, Índia, 14 de junho de 1972) foi uma atriz brasileira.

leila dinizFormou-se em magistério e foi ser professora do jardim de infância no subúrbio carioca. Aos dezessete anos, conheceu seu primeiro marido, o cineasta Domingos de Oliveira e casou-se com ele. O relacionamento durou apenas três anos. Foi nesse momento que surgiu a oportunidade de trabalhar como atriz. Primeiro estreou no teatro e logo depois passou a trabalhar na TV Globo, atuando em telenovelas. Mais tarde, casou-se com o cineasta moçambicano Ruy Guerra, com quem teve uma filha, Janaína. Participou, ao todo, de quatorze filmes, doze telenovelas e várias peças teatrais.

Leila Diniz quebrou tabus de uma época em que a repressão dominava o Brasil, escandalizou ao exibir a sua gravidez de biquini na praia, e chocou o país inteiro ao proferir a frase: Transo de manhã, de tarde e de noite. Considerada uma mulher à frente de seu tempo, ousada e que detestava convenções.Foi invejada e criticada pela sociedade conservadora das décadas de 1960 e 1970 e pelas feministas pois consideravam que ela estava a serviço dos homens.

Leila falava de sua vida pessoal sem nenhum tipo de vergonha ou constrangimento. Concedeu diversas entrevistas marcantes à imprensa, mas a que causou um grande furor no país foi a entrevista que deu ao jornal O Pasquim em 1969. Nessa entrevista, ela, a cada trecho, falava palavrões que eram substituídos por asteriscos, e ainda disse: Você pode muito bem amar uma pessoa e ir para cama com outra. Já aconteceu comigo.

O exemplar mais vendido do jornal foi justamente esse no qual foi publicada a entrevista da atriz fluminense. E foi também depois dessa publicação que foi instaurada a censura prévia à imprensa, mais conhecida como Decreto Leila Diniz. Perseguida pela polícia política, Leila se esconde no sítio do colega de trabalho Flávio Cavalcanti, tornando-se em seguida jurada do programa do apresentador, no momento em que é acusada de ter ajudado militantes de esquerda. Alegando razões morais, a TV Globo do Rio de Janeiro não renova o contrato de atriz. De acordo com Janete Clair, não haveria papel de prostituta nas próximas telenovelas da emissora.

Meses depois, Leila reabilita o teatro de revista, e começa uma curta e bem sucedida carreira de vedete. Estrelando a peça tropicalista Tem banana na banda, improvisando a partir dos textos escritos por Millôr Fernandes, Luiz Carlos Maciel, José Wilker e Oduvaldo Viana Filho. Recebe de Virgínia Lane o título de Rainha das Vedetes. No carnaval de 1971, é eleita Rainha da Banda de Ipanema por Albino Pinheiro e seus companheiros.

Morreu num acidente aéreo, voo JAL471, da Japan Airlines, no dia 14 de junho de 1972, aos 27 anos, no auge da fama, quando voltava de uma viagem à Austrália.

A atriz Marieta Severo e o compositor e cantor Chico Buarque de Holanda, seus amigos, cuidaram da filha de Leila Diniz e Ruy Guerra, durante muito tempo, até o pai ter condições de assumir a filha, Janaína Diniz Guerra.

Um cunhado advogado se dirigiu a Nova Délhi, na Índia, local do desastre, para tratar dos restos mortais da atriz. Acabou encontrando um diário que continha diversas anotações e uma última frase, que provavelmente estava se referindo ao acidente: Está acontecendo alguma coisa muito es....

Leila Diniz, A Mulher de Ipanema, defensora do amor livre e do prazer sexual, é sempre lembrada como símbolo da revolução feminina, que rompeu conceitos e tabus por meio de suas ideias e atitudes.

"Sem discurso nem requerimento, Leila Diniz soltou as mulheres de vinte anos presas ao tronco de uma especial escravidão."

 Carlos Drummond de Andrade

Carreira

Na televisão

  • 1965 - Ilusões Perdidas - (Rede Globo)
  • 1965 - Paixão de Outono - Maria Luísa - (TV Paulista)
  • 1965 - Um Rosto de Mulher - (TV Paulista)
  • 1966 - Eu Compro Esta Mulher - Úrsula (Rede Globo)
  • 1966/67 - O Sheik de Agadir - Madelon (Rede Globo)
  • 1967 - A Rainha Lou ca - Lorenza - (Rede Globo)
  • 1967 - Anastácia, a Mulher sem Destino - Anastácia - (Rede Globo)
  • 1968 - O Direito dos Filhos - Ana Lúcia - (TV Excelsior)
  • 1969 - Acorrentados - Irmã Amparo - (TV Rio)
  • 1969 - Vidas em Conflito - Débora - (TV Excelsior)
  • 1969/70 - Dez Vidas - Pompom - (TV Excelsior)
  • 1970 - E Nós, Aonde Vamos? - Beth - (TV Tupi)

No cinema

  • 1967 - Mineirinho, Vivo ou Morto 
  • 1967 - Todas as Mulheres do Mundo 
  • 1967 - Juego peligroso
  • 1968 - Edu, Coração de Ouro - Tatiana
  • 1968 - O Homem Nu - Mariana
  • 1968 - A Madona de Cedro - Marta
  • 1968 - Fome de Amor - Ulla
  • 1969 - Corisco, o Diabo Loiro - Dadá
  • 1969 - Os Paqueras - ela mesma
  • 1970 - Azyllo Muito Louco - Eudóxia
  • 1970 - O Donzelo - participação especial como ela mesma
  • 1971 - Mãos Vazias
  • 1972 - Amor, Carnaval e Sonhos
  • 1977 - O Dia Marcado (póstumo)

Na Música

  • 1980 - Um Cafuné na Cabeça, Malandro, Eu Quero Até de Macaco - Parceria com Milton Nascimento - Álbum Sentinela