Leo Moura

23/10/2015 10:19

Leonardo da Silva Moura, mais conhecido como Leonardo Moura, ou apenas Léo Moura (Niterói, 23 de outubro de 1978), é um futebolista brasileiro que atua como lateral direito e meia. Desde Agosto de 2015, joga pelo FC Goa.

leo mouraFez história com a camisa do Flamengo, mas também teve passagens por Botafogo, Palmeiras, São Paulo, Vasco da Gama e Fluminense, entre outros.

Começou sua carreira jogando nas categorias de base do Linhares Esporte Clube no Espirito Santo e depois se transferiu para as categorias de base do Botafogo, quando ainda atuava no meio-campo. Curiosamente, ele que mais tarde viria a se tornar ídolo da torcida rubro-negra, em sua infância, fora rejeitado pelo Flamengo e, com isso, acabou indo parar na escolinha do Botafogo.

Contudo, antes de se profissionalizar pelo Botafogo, acabou sendo negociado com o Germinal Beer, um clube de futebol da Bélgica. Uma temporada mais tarde, ou seja, em 2000, seguiu para o ADO Den Haag, time holandês, no qual teve sua primeira experiência como ala.

Já no segundo semestre de 2001, retornou ao Botafogo para a disputa do Campeonato Brasileiro daquele ano, vindo ocupar uma vaga no meio-campo. Contudo, uma lesão, próximo a sua estreia fez com que ele perdesse sua posição no time e, com isso, no decorrer do campeonato, acabou retornando à equipe titular, jogando na lateral-direita.

Seu bom desempenho, como lateral, enfim parecia ter resolvido o problema do Botafogo naquela posição, carente de um bom jogador desde que César Prates havia deixado de jogar pelo clube em 1999. Todavia, no ano seguinte, Léo Moura surpreendeu a todos, quando não renovou seu contrato com o Botafogo e transferiu-se para o Vasco da Gama.

No Vasco, entrosou-se perfeitamente com a dupla de atacantes, formada por Romário e Euller, contudo, apesar de seu ótimo rendimento no time, em meados de 2002, decidiu trocar o Vasco pelo Palmeiras. Mais tarde, o próprio Léo Moura viria a confessar ter se arrependido desta transferência, que o havia colocado na fatídica equipe palmeirense rebaixada para a 2ª divisão.

Em 2003, foi parar no São Paulo e, como já havia um outro Leonardo neste time, foi a partir desta época que passou a ser chamado de Leonardo Moura. Pouco aproveitado no São Paulo, após atuações decepcionantes, Léo Moura retornou ao futebol carioca, quando voltou a atuar ao lado de Romário.Desta vez, porém, os dois vestiam a camisa do Fluminense.

No Tricolor Carioca, ele deu a volta por cima e, após excelentes atuações, acabou virando o xodó da torcida. Em seguida, Léo teve uma rápida passagem pelo Sporting Braga, de Portugal, antes de acertar seu contrato com o Flamengo.

Chegou ao Fla com o pé atrás por parte da torcida em conta do seu passado pelos rivais do Mengão e de sua rodagem,já que não tinha feito duas temporadas seguidas em um mesmo clube,mas logo garantiu a sua titularidade e desde então, consagrou-se como ídolo, participando ativamente de diversos títulos que o clube conquistou, incluindo a Copa do Brasil de 2006, o Brasileirão de 2009 e a Copa do Brasil de 2013.

Em 2 de agosto de 2009, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro contra o Náutico no Maracanã, causou um grande mal-estar com a torcida rubro-negra. O Flamengo ia perdendo a partida por 1–0 para o então lanterna do campeonato, quando aos 36 minutos do segundo tempo o lateral fez o gol de empate. O jogador, até então incomodado com as vaias que recebera durante todo o jogo, não comemorou o gol e resolveu proferir impropérios (palavrões) à torcida rubro-negra, como forma de protesto e desabafo pelas vaias que vinha recebendo. Algum tempo depois ele deu uma entrevista pedindo desculpas a torcida flamenguista pelo ocorrido.

O lateral conquistou aos 28 anos o primeiro título de sua carreira: a Copa do Brasil de 2006. Foi uma coroação para o bom trabalho feito no ano anterior e apenas o início de uma história com a camisa do Flamengo, que se consolidaria ainda mais nos anos seguintes. Em 2007, 2008 e 2009 foi um dos principais personagens da conquista do tricampeonato estadual, sempre marcando em várias ocasiões. No ano de 2007, ele era cotado como uma dos principais esperança do time na Copa Libertadores da América, mas o time foi eliminado ainda nas oitavas de final, mas no Brasileirão ele foi fundamental na arrancada do Flamengo, tirando o time da zona do rebaixamento, levando para o terceiro lugar da competição, garantindo a vaga da Libertadores no ano seguinte. Em 2008, o Flamengo foi novamente eliminado nas oitavas de final da Libertadores e não conseguiu se classificar para a competição do ano seguinte terminado o Campeonato Brasileiro em quinto lugar, sempre com grandes atuações do lateral. No Brasileirão de 2009, teve grandes atuações e foi um dos pilares da conquista do título brasileiro, escrevendo definitivamente seu nome da história do clube. Na temporada seguinte, ultrapassou a marca de 300 jogos pelo Fla e continuou, firme e forte, dono da posição.

Em 2010, na estreia do Flamengo na Libertadores, contra o Universidad Católica, perdeu um jogador logo no começo do jogo. Em uma falta do lado esquerdo, bateu uma falta com perfeição, abrindo o placar ainda no primeiro tempo, e ainda no segundo tempo em um contra-ataque, partiu com a bola e com um belo toque deixou Adriano na cara do gol para fechar o placar, sendo o jogo mais lembrado pelo jogador até hoje. No Campeonato Brasileiro de 2010, o Flamengo ficou apenas em 14º lugar, escapando da possibilidade de ser rebaixado no fim do Campeonato, assim como toda equipe, o jogador não teve grande atuações, fazendo apenas um gol durante toda competição. No inicio de 2011, voltou a exibir seu grande futebol que o consagrou, conquistando mais uma vez o Carioca, sendo mais uma vez o melhor lateral direito da competição.No Campeonato Brasileiro, o lateral teve uma campanha regular e conseguiu classificar o Flamengo para a Libertadores pela quarta vez em sua passagem pelo clube com a presença de Ronaldinho Gaúcho e Thiago Neves no clube.

Em 2012, começou bem a temporada marcando gols na Libertadores, porém a equipe rubro-negra não conseguiu avançar para a segunda fase da competição.

No mesmo ano, no Brasileirão 2012, Léo perdeu um gol incrível na partida contra o Vasco (Flamengo venceu por 1x0), válida pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após jogada de Adryan pelo lado esquerdo, o jogador rolou para o lateral, que entrava livre na área. Era só tocar para o gol vazio, mas Léo se atrapalhou, pisou na bola e ficou sentado no gramado. Mesmo sentado, ele até tentou empurrar a bola para o gol, mas Pipico apareceu para afastar o perigo. Com 68,6% dos votos dos internautas, este lance foi eleito gol mais perdido da rodada, em enquete do programa "´É Gol!!", do SporTV. Em entrevista dada logo após a partida, ele revelou ter sido caçoado pelos companheiros ainda no vestiário, e afirmou que merecia vestir a camisa do "Inacreditável Futebol Clube", que é dada pelo Globo Esporte a qualquer jogador que perde um gol incrível.

Em 2 de janeiro de 2013, depois de longa novela em torno de sua renovação com o Flamengo, novela esta que aproximou o jogador ao recém-promovido à Série A Goiás, fechou por mais um ano com o clube. O lateral, entretanto, teve de aceitar uma redução de seus vencimentos. Depois de um ano e meio sem marcar gols, voltou a marcar na vitória de 2 a 1 contra o Santos, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro.

Em 6 de outubro, chegou a marca de 450 jogos com a camisa do Flamengo no clássico contra o Vasco da Gama, que acabou terminando no empate por 1 a 1, em partida válida pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Em 18 de dezembro, foi anunciada a renovação do seu contrato com o Flamengo até o fim de 2014.

Em 22 de fevereiro de 2014, entrou no Top 10 de jogadores que mais vestiram a camisa Rubro-Negra atingindo a marca de 468 jogos e chegando a 10ª posição, ultrapassando o ex-meia Zinho. No jogo, o Flamengo venceu o Resende por 3–0. No terceiro gol, foi ele quem começou a jogada após um lençol no marcador.

Em 4 de outubro de 2014, atingiu a marca de 500 jogos pelo Flamengo em partida entre o Flamengo e o Santos no Maracanã, válida pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. O rubro-negro foi derrotado por 1–0, gol de Robinho. Leo Moura, renovou com o Flamengo até o final dom Campeonato Carioca de 2015.

Em 23 de fevereiro de 2015, em conjunto com o Flamengo, anunciou a sua saída para o Fort Lauderdale Strikers, dos Estados Unidos.

Com isso, chegou ao fim a maior longevidade de então de um jogador de linha na elite do futebol nacional. Contando goleiros, Apenas três jogadores estavam há mais tempo em suas respectivas equipes do que estava Léo Moura. Além disso, ele deixou a Gávea sendo o sétimo jogador que mais defendeu as cores rubro-negra.

Léo chegou ao final de sua jornada com a camisa rubro-negra conquistado 9 títulos, o mesmo número de conquistas que Botafogo, Fluminense e Vasco tiveram desde o dia em que o atleta estreou pelo rubro-negro carioca. Além disso, durante o tempo em que ficou no clube, nada menos que oito presidentes e 15 técnicos (sem contar interinos e repetições de treinadores) passaram pela Gávea. A camisa do time contou com três fornecedores diferentes e sete patrocinadores.

Em entrevista dada ao GloboEsporte.com, em Agosto de 2015, Leo informou que acredita que sua saída do clube foi sugerida pelo então treinador Vanderlei Luxemburgo.

Sua ultima Partida em um jogo oficial pelo clube aconteceu em 1 de março de 2015, pela sétima rodada do Campeonato Carioca, em jogo contra o Botafogo no Maracanã lotado , com torcida total de 49.833 torcedores, que viram o Flamengo perder por 1 a 0 (curiosidade que o jogo aconteceu no dia dos 450 anos do Rio de Janeiro).

Em 4 de março de 2015, se despediu da torcida do Flamengo em uma partida amistosa no Maracanã para mais de 30.620 pagantes contra o Nacional com vitória por 2–0 para os dono da casa. Antes do jogo, foi homenageado com uma placa entregue por Zico (a curiosidade é que o lateral participou do jogo de despedida de Zico, na década de 1990, quando ainda era um dos garotos que entrou em campo com o time.

O que o motivou a assinar com um clube da North American Soccer League (NASL), uma espécie de liga de "segunda linha", foi o desafio de tornar esta liga mais conhecida mundialmente e elevá-la ao patamar da Major League Soccer (MLS), principal liga de futebol dos Estados Unidos.

Assinou um contrato de três anos com o Strikers, clube pelo qual vestirá a camisa 10. A escolha do número da camisa foi uma homenagem ao período em que defendeu o Flamengo.

Na partida de estreia, em 4 de abril, contra o NY Cosmos, perdeu por 1–0, gol do também brasileiro Leo Fernandes. Foram 11 691 torcedores no Lockhart Stadium, local da disputa, e um recorde de público para os Strikers no retorno da NASL.

Em sua segunda partida, que aconteceu em 11 de abril, marcou seu primeiro gol com a nova camisa e abriu caminho para o triunfo sobre o Jacksonville Armada por 2 a 1, quando converteu um pênalti no final da primeira etapa. Além de marcar o seu, participou do segundo gol da equipe, relembrando seus tempos de lateral após iniciar a jogada cruzando pela direita.

Rafael Bertani, presidente do conselho de administração do clube americano, confirmou a rescisão de léo em 27 de julho de 2015, após os dirigente entenderem que não havia mais clima para o jogador continuar no clube devido as suas tentativas de voltar ao Brasil.

Sua ultima partida pelo Strikers foi um amistoso em Campinas(SP), disputada em 20/06/15, em que seu time perdeu para a Ponte Preta pelo placar de 4 a 0. Saiu do clube com 9 jogos pela NASL e o amistoso contra a Ponte, tendo conquistando 3 vitorias, 2 empates, 5 derrotas, 2 gols e o vice campeonato da Coastal Cup (torneio paralelo a NASL).

Em junho de 2015 (menos de 4 meses após a assinatura de contrato com o Strikers, portanto), segundo o canal Fox Sports, o jogador pediu ao seu empresário, Eduardo Uram, que procurasse clubes no Brasil interessados em seu futebol, pois ele estaria insatisfeito com o nível do futebol na NASL. O jornal Gazeta do Povo, porém, informou que "a decisão de Léo Moura de retornar ao Brasil é muito mais familiar do que profissional. Um primo da mulher do jogador que mora em São Paulo está doente e a família decidiu ficar perto dele."

Segundo André Chaves, um dos sócios do Strikers, Léo possuia uma carta que o liberaria do vínculo de três anos com o clube caso recebesse propostas de equipes fora dos Estados Unidos, o que facilitaria a "quebra de contrato" com o Strikers.

Após a mídia divulgar que o jogador interessava ao Fluminense, Léo desmentiu, via rede social, que estaria negociando com o Fluminense e disse estar feliz no Strikers.

Em 22 de junho, Eurico Miranda, presidente do Vasco da Gama, chegou a anunciá-lo como novo reforço do Vasco da Gama. O jogador retornaria ao clube depois de treze anos.

Esta notícia gerou uma enxurrada de críticas, tanto da torcida vascaína — já que na maior parte desse período que ficou longe do Vasco da Gama, jogou e se tornou ídolo do Flamengo, maior rival do clube — tanto da torcida rubro-negra, que o acusou de "traidor" Ex-jogadores do Fla também fizeram criticas a decisão do Léo. Leandro, considerado o maior lateral-direito da história do Flamengo, disse que isso é uma sacanagem do Eurico, e que ele não tomaria a mesma decisão, pois os torcedores do Fla não o perdoariam. Zico mostrou-se desconfortável com a situação, mas disse torcer para que os flamenguistas não crucifiquem Léo Moura.

Na mídia esportiva, este anuncio também repercutiu, tanto positivamente, quanto negativamente. Carlos Alberto Torres disse que "não via nada demais" o jogador defender o rival do Fla, afinal isso faz parte do profissionalismo no futebol. Mesmo pensamento defendido por Gustavo Poli, jornalista do GloboEsporte.com. Para ele "Léo tem o direito de jogar onde quiser. Foi ejetado pelo Flamengo em março porque Luxemburgo preferia Pará - e boa parte da torcida implicava com seu fôlego já reticente. Teria todo direito de jogar no Vasco, ou em qualquer lugar." Já Caio Ribeiro, ex-jogador e comentarista do SporTV, disse que Léo não tinha "nada a ganhar" no Vasco e que "chateou" a torcida do Fla. Mauro Ribeiro, comentarista dos canais ESPN, foi na mesma linha de Caio. Para ele, Léo Moura fez bobagem ao negociar com o Vasco, pois, se ele fizesse sucesso no Vasco, toda a sua idolatria no Flamengo seria perdida, e se fosse um fracasso, seria acusado pelos torcedores do Vasco de flamenguista.

Quatro horas depois dessa notícia, porém, foi divulgado que Léo Moura havia desistido de ir para o Vasco.

Eurico disse que, após diversas ligações do jogador, eles chegaram a um acordo verbal, mas que o jogador não honrou a palavra. O cartola disse ainda que, depois desse episódio, ele nunca mais jogaria no Vasco, nem se fosse "de graça".

Eduardo Uram, empresário do atleta, negou que Léo estivesse acertado com o Vasco, como afirmou Eurico Miranda.

Leo confirmou, via redes sociais, que houve sim uma proposta para jogar no Cruz-Maltino, mas que nunca assinou qualquer documento. Disse ainda que "não poderia fazer isso", de se transferir a outro clube do Rio, devido ao carinho e respeito da "nação rubro-negra".

É importante destacar que, em março de 2015, o programa "Os Donos da Bola Rio", havia noticiado que, durante as conversas de renovação do Léo com o Flamengo, no começo de 2015, o Vasco já havia tentando contratar o lateral, segundo o próprio atleta revelou. Mas o interesse não foi adiante.

Em entrevista dada em Agosto de 2015 ao GoboEsporte.com, Leo informou que o primeiro clube com que negociou o retorno ao Brasil foi o Flamengo.

Ao mesmo tempo em que negociava com o Vasco da Gama, seu empresário negociava com o Coritiba. Assim, Leo chegou a fazer exames médicos no coxa-branca e até a posar com a camisa do clube. Porém, o artigo cinco do "Regulamento da FIFA de Transferência de Jogadores" impediu que o negócio fosse concretizado, pois Leo já havia atuado por duas equipes diferentes numa mesma temporada. Seu retorno ao Brasil só seria possível, portanto, se fosse com a camisa do Flamengo.

Após as tentativas frustadas, de acordo com o jornal “Times of India”, teria acertado com o FC Goa, da Índia. Segundo o empresário dele, "o jogador só tem condições legais de jogar ou no Flamengo ou em uma liga no exterior com um calendário “overlaped", diferente da temporada brasileira." Assim, como a temporada da India é diferente das disputadas no Brasil e nos Estados Unidos, estaria, a princípio, liberado para jogar.

Em 1 de agosto, confirmou seu acerto com o time indiano.

A temporada no país asiático é curta, começando em 3 de outubro e se encerrando em 6 de dezembro. Depois disso, o jogador aproveitaria as férias de fim de ano e, em 2016, já estaria livre para assinar com qualquer outro time.

Em 2008, aos 29 anos, Leo Moura foi convocado pela 1a e única vez para a Seleção Brasileira. A equipe iria enfrentar a Irlanda, em um amistoso na cidade de Dublin. Ele foi chamado para ocupar a vaga de Maicon, da Inter de Milão, que estava machucado.

Leo jogou a partida inteira, e, segundo a resenha pós-jogo feita pelo GloboEsporte.com, ele se destacou com uma boa atuação na peleja.

Na visão do jornalista esportivo Rica Perrone, Leo deveria ter sido mais vezes convocado. Em 2010, ele publicou em seu blog: "quem, nos últimos 5 anos, manteve a seqüência de Leo naquela posição? Maicon e Daniel Alves, só. (...) não compreendo seu nome estar raramente na lista nos últimos anos."

Em 2013, Leo afirmou, em entrevista ao programa A Ultima Palavra, do canal Fox Sports, que não foi convocado mais vezes pois "Dani Alves e Maicon estavam em fase melhor".

Em 2007, Leo jogou a partida em que a Seleção de Craques do Brasileirão derrotou por 3 a 0 a Seleção Olímpica. Nesta partida, ele teve grande atuação, e deu o passe para o gol de Leandro Amaral, do Vasco.