Mayra Aguiar entra para seleta lista de campeãs mundiais: relembre os títulos

30/08/2014 21:20

Basquete, vôlei de praia, ginástica artística, taekwondo, maratona aquática, atletismo, remo, handebol e judô são os esportes em que as mulheres brasileiras já triunfaram

Por GloboEsporte.com

O título que transformou Mayra Aguiar na maior medalhista do Brasil na história dos Mundiais de judô entrou também para a seleta lista de conquistas das mulheres do país em competições de esportes olímpicos deste porte. Apesar de ainda modesto, o número de brasileiras a subir no lugar mais alto do pódio em Mundiais vem crescendo exponencialmente, tendo 2011 e 2013 como os anos mais dourados para o esporte feminino verde-amarelo. Relembre na lista abaixo outros feitos individuais e coletivos das mulheres do país.

Mayra Aguiar com medalha Mundial de Judô (Foto: EFE)

O sorriso de campeã: Mayra Aguiar entra em lista seleta de mulheres campeãs mundiais do Brasil (Foto: EFE)

HORTÊNCIA E MAGIC PAULA GUIAM TÍTULO DO BASQUETE

O título do Mundial de basquete de 1994 é até hoje o maior da história da seleção feminina brasileira. Com Miguel Ângelo da Luz no comando fora da quadra e Hortência e Magic Paula arrasadoras dentro dela, o time foi de desacreditado a campeão na Austrália. Na primeira fase, a equipe venceu Taipé e Polônia e perdeu para a Eslováquia. Na segunda etapa, venceu Cuba e Espanha e perdeu para a China. Nas semifinais, a seleção superou os Estados Unidos em um jogo épico e, na decisão, deu o troco nas chinesas e consagrou aquela talentosa geração, que contava também com nomes como Janeth, Leila e Alessandra.

VÔLEI DE PRAIA É ÚNICO ESPORTE COM BICAMPEÃS MUNDIAIS 

Com presença constante das brasileiras nos pódios das competições internacionais desde o início da década de 1990, o vôlei de praia é o único esporte em que há brasileiras bicampeãs mundiais. Adriana Behar e Shelda, que também possuem duas pratas olímpicas, venceram em Marselha 1999 e Kaglenfurt 2001. Os títulos deram continuidade à hegemonia do Brasil, que havia conquistado a primeira edição da competição, realizada no Brasil, com Jackie Silva e Sandra Pires. Após quatro edições dominadas pelos Estados Unidos, Juliana e Larissa levaram o ouro e  fizeram o Hino Nacional ser executado no Foro Itálico de Roma em 2011.

vôlei de praia adriana behar shelda Misty May Kerri Walsh final olímpica atenas 2004 (Foto: COB)
Shelda (fundo) e Adriana Behar são as únicas bicampeãs mundiais do Brasil (Foto: COB)

A BRASILEIRINHA DAIANE DOS SANTOS

Em 2003, Daiane dos Santos atrelou o choro “Brasileirinho” eternamente a sua carreira. Em ritmo de samba, a música foi a trilha sonora da apresentação da brasileira na final do solo do Mundial de Anhaheim, na Califórnia, Estados Unidos. Com um duplo twist carpado, movimento que depois seria batizado de “Dos Santos” em sua homenagem, Daiane superou as rivais e conquistou o primeiro título mundial do Brasil na ginástica artística. 

FALAVIGNA BRILHA NO TAEKWONDO

Natália Falavigna conquistou o maior título de sua carreira no taekwondo em abril de 2005. Em Madri, na Espanha, a brasileira venceu as cinco lutas que disputou e sagrou-se campeã da categoria até 72kg. Na final contra a britânica Sarah Stevenson, a brasileira saiu atrás, e a consagração só veio no quarto assalto do golden point.

ANA MARCELA E POLIANA - MENINAS DE OURO DAS ÁGUAS ABERTAS 

Em julho de 2011, Ana Marcela Cunha deu uma volta por cima em grande estilo em Xangai. Depois de ser apenas a 11ª colocada na prova de 10km e perder a classificação olímpica para os Jogos de Londres, a baiana completou a maratona aquática de 25km em 5h29m22s – tempo apenas três segundos mais baixo que o da alemã que defendia o título - e sagrou-se campeã mundial. 

Dois anos depois, o Brasil voltaria ao topo do pódio de uma prova em águas abertas com Poliana Okimoto. Na prova de 10km em Barcelona, a maratonista conquistou a mais valiosa de suas três medalhas naquela edição do Mundial, a quarta na carreira. O pódio foi ainda mais especial por ter dobradinha brasileira com Ana Marcela em segundo lugar.

MURER FAZ HISTÓRIA E UNIFICA TÍTULOS 

No final de outubro de 2011, Fabiana Murer escreveu seu nome na história do atletismo do Brasil como a primeira atleta do país a sagrar-se campeã mundial. Na disputa do salto com vara em Daegu, na Coreia do Sul, a paulista saltou 4,80m para faturar o ouro, unificando os títulos mundiais, já que havia sido campeã indoor em 2010, em Doha. A conquista teve gosto ainda mais especial porque a recordista mundial Yelena Isinbayeva estava na disputa e saltou apenas 4,65m, terminando em sexto lugar.

Fabiana Murer comemoração Mundial de Daegu 2011 (Foto: EFE)
Fabiana Murer dá volta olímpica no estádio após unificar títulos no Mundial de Daegu 2011 (Foto: EFE)

FABIANA BELTRAME SE CONSAGRA NO REMO

Bled, na Eslovênia, foi o cenário de mais uma conquista inédita para o Brasil. Na final do single skiff leve (LW1x), Fabiana Beltrame liderou de ponta a ponta e tornou-se a primeira a atleta do país, entre homens e mulheres, a subir ao topo do pódio em um Mundial de Remo. Com o tempo de 7m44s58, a remadora do Flamengo teve vantagem de quase dois barcos para as rivais. No pódio, ela emocionou o público ao segurar a filha Alicia no colo.

HANDEBOL QUEBRA TABUS E RECORDE

Após ser eliminada em casa nas quartas de final do Mundial de 2011, a seleção brasileira de handebol quebrou uma série de escritas em 2012. Na Sérvia, a equipe comandada pelo dinamarquês Morten Soubak tornou-se o primeiro time não europeu à chegar a uma semifinal de mundial desde 2013. As brasileiras foram além e, na decisão, com direito ao maior público pagante da história da competição (19.467 espectadores), conquistaram invictas o inédito título do país na modalidade diante das donas da casa.

RAFAELA SILVA SE REDIME EM CASA

Desclassificada dos Jogos de Londres 2012 após executar um golpe ilegal, Rafaela Silva se redimiu com os fãs e consigo mesma em um cenário de sonhos. No Rio de Janeiro, diante de familiares e amigos, a carioca da Cidade de Deus mostrou seu potencial máximo nos tatames e sagrou-se a primeira campeão mundial do Brasil no judô feminino. Contra a americana Marti Malloy, a lutadora aplicou o golpe perfeito e venceu por ippon em casa. Então com 21 anos, Rafaela sorriu, chorou, e fez o público entoar orgulhoso o Hino Nacional. 

rafaela silva torcida campeã mundial rio 2013 judo (Foto: Leandra Benjamin/MPIX )
Rafaela Silva é levantada nos braços pelas companheiras de seleção: a 1ª campeã mundial do país (Foto: Leandra Benjamin)

Manifeste sua opinião sobre essa matéria

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário