Olimpíada Brasileira de Matemática ajuda a revelar talentos no Rio

27/03/2015 11:18

Inscrições para competição terminam no fim do mês. Escola Municipal Francis Hime é uma das 10 unidades de ensino mais premiadas do país.

Bom Dia Brasil

O mês está acabando. E junto vão terminar também as inscrições da Olimpíada Brasileira de Matemática nas Escolas Públicas. No Rio de Janeiro, a competição ajudou a revelar talentos em uma escola que já teve mais de 100 alunos premiados.

Parece uma aula de desenho. Mas os alunos estão aprendendo matemática, mais precisamente geometria. A turma vai participar da Olimpíada Brasileira de Matemática nas Escolas Públicas.

Isabelle diz que tudo é uma questão de “A gente tem que pensar na lógica de um problema, porque se a gente não pensar na lógica a gente não consegue”, afirma a estudante Isabelle Crystal.

Qual o segredo para aprender matemática? E perder o medo dessa disciplina que parece tão complicada? Uma escola na Zona Oeste do Rio pelo jeito descobriu a fórmula: de 2005 para cá já foram 160 premiações dos alunos.

A Escola Municipal Francis Hime é uma das 10 unidades de ensino mais premiadas do país. O professor faz a diferença. A começar pela maneira de criar e explicar os problemas. Sempre com questões que a gente vive no dia a dia.

“Os conteúdos têm que ser arrumados de acordo com o que eles vão utilizar na vida”, explica o professor Luiz Felipe Lins.

Isso mudou a relação da estudante Larissa Guimarães com a matemática. “Eu odiava matemática, agora eu consegui gostar muito, melhorei bem as minhas notas”, afirma.

César Camacho diretor do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada que organiza as olimpíadas explica que em uma década os resultados são surpreendentes. “Nós conquistamos em primeiro lugar milhares de estudantes que estão seguindo estudos universitários, em carreiras técnicas como engenharia, computação, física e matemática, e mesmo em outras carreiras, que sem esta atividade eles não teriam chegado à universidade”.

Novos talentos descobertos nas salas de aula. Isabella foi medalha de prata no ano passado. Gerson, ouro. Para eles, longe de ser um problema, a matemática veio para abrir caminhos. “Mais chances, mais caminhos com as oportunidades que tem”, diz o Gerson Fernandes Filho.

“Antes, eu era boa em matemática só que agora eu desenvolvi uma paixão. Eu gosto muito mais”, afirma a estudante Isabela Rodrigues.

As inscrições devem ser feitas pelas próprias escolas; saiba mais no site da OBMEP.

Manifeste sua opinião

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário