Pedágios da BR-101 são reajustados para R$ 3,80

21/01/2015 09:46

Aumento de 11,65% foi autorizado pela ANTT e passa a valer a partir do próximo dia 2. Motoristas de caminhões leves e ônibus desembolsarão R$ 7,60

O Fluminense

A partir do próximo dia 2, os motoristas que trafegam pela BR-101, trecho entre Niterói e Campos dos Goytacazes, na divisa com o Espírito Santo, pagarão mais caro ao cruzar os cinco pedágios instalados ao longo dos 320 quilômetros sob concessão da Autopista Fluminense.

Resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (20), autoriza a concessionária a reajustar de R$ 3,40 para R$ 3,80 a tarifa cobrada de automóveis, caminhonetes e furgões com dois eixos. O aumento representa um acréscimo de 11,65%. O último reajuste ocorreu em fevereiro de 2014.

Motoristas de caminhões leves, ônibus, caminhões-tratores e furgões duplos de dois eixos desembolsarão R$ 7,60. Já os de automóveis e caminhonetes com semi-reboque passarão a pagar R$ 5,70.

Segundo a ANTT, o aumento é anualmente calculado a partir da combinação de três itens contratuais. O primeiro deles, o índice de reajuste, tem como base a variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O segundo critério é para recompor o equilíbrio econômico-financeiro diante do acréscimo ou supressão de novas obrigações à concessionária. O último item, o arredondamento tarifário, serve para facilitar a fluidez do tráfego nas praças de pedágio. Os efeitos econômicos do arredondamento são sempre compensados no processo de revisão subsequente.

A rodovia atravessa 13 cidades fluminenses e conta com cinco praças de pedágio, localizadas em Campos dos Goytacazes, Conceição de Macabu, Casimiro de Abreu, Rio Bonito e São Gonçalo.

Conforme a Autopista Fluminense, a média de veículos trafegando diariamente nas proximidades de Niterói, onde o fluxo é maior, são 90 mil veículos. Já no trecho próximo à divisa com o Espírito Santo, o volume diário são seis mil veículos.

Manifeste sua opinião

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário