Pesquisadores da Fatec descobrem nova planta em Capão Bonito

26/09/2014 08:20

Espécie foi encontrada na zona rural do município por uma professora.
Chamada de eleocharis pseudobulboda, planta chega até 20cm.

Do G1 Itapetininga e Região

Pesquisadores da Faculdade de Tecnologia (Fatec) de Capão Bonito (SP) descobriram uma nova espécie de planta. Ela é da mesma família da priprióca: uma erva aromática típica da região da Amazônia, usada para a fabricação de perfumes. A novidade foi publicada em uma revista internacional de botânica e agora faz parte da lista de espécies da flora brasileira.

Planta descoberta em Capão Bonito chama-se eleocharis pseudobulboda (Foto: Reprodução/ TV TEM)Planta descoberta em Capão Bonito chama-se eleocharis pseudobulboda (Foto: Reprodução/ TV TEM)

A nova espécie foi encontrada na zona rural do município. Chamada de eleocharis pseudobulboda, a planta mede de 5 a 20 centímetros e produz frutos muito pequenos de 1 a 2 milímetros. A professora Tamires Delgado de Lima foi a responsável pela descoberta. Durante a coleta de espécies da mata atlântica para um trabalho de conclusão de curso, ela encontrou a planta diferente das outras. “Identificamos a família ciperácea [que crescem geralmente em terrenos alagadiços ou brejos], principalmente o falso bulbo na raiz, no estolão, que ainda faz lembrar a estrutura do morango. Por isso tivemos a noção de ser uma nova espécie porque até então não tínhamos visto nada parecido nas outras coletas”, explica.

Após um longo período de estudos foi comprovado que a planta era uma novidade para a ciência. A análise foi feita por vários especialistas no assunto. Características como o caule da planta foram os detalhes que não deixaram dúvidas: a espécie ainda não havia sido identificada em nenhum outro lugar.

O professor de tecnologia em silvicultura Wellington Forster conta que a espécie teve o nome publicado este ano na revista internacional de botânica. A partir da publicação, a planta agora faz parte da lista de espécies da flora do Brasil. “O que mais nos chamou a atenção nessa planta foi o desenvolvimento de uma estrutura que as outras não possuíam. O caule modificado nós denominamos como pseudobulbo, pois é um falso bulbo, que é o diferencial desta planta. Este fator contribuiu também para a descrição dessa nova espécie”, comenta

O diretor da Fatec de Capão Bonito, José Francisco de Souza, acredita que a publicação vai despertar o interesse de pesquisadores de todo o país que virão em busca de mais informações sobre a região onde a planta foi encontrada. “Isso também é um modo de divulgar a região. Saber que essa região é um potencial para novas espécies, assim como a flora brasileira. A ciência pelo menos vai conhecer que existe essa cidade chamada Capão Bonito e que aqui há uma faculdade que faz pesquisas nessas áreas”, ressalta.

Manifeste sua opinião sobre essa matéria

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário